Cel. Fabriciano, 26 de maio de 2024

OUÇA AGORA A RÁDIO EDUCADORA

RÁDIO EDUCADORA

08 maio
Imagem: Província do Rio

Novos Veneráveis Redentoristas

Compartilhar

Em audiência ao prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, cardeal Angelo Becciu, no dia 5 de maio de 2020, o Papa Francisco autorizou a promulgação dos decretos que reconhecem o heroísmo das virtudes cristãs dos Servos de Deus, agora chamados de Veneráveis, Francis Barrecheguren Montagut (padre) e Maria da Conceição Barrecheguren e García (leiga).

O sacerdote Francis, professado na Congregação do Santíssimo Redentor, nasceu em Lérida (Espanha), em 21 de agosto de 1881, falecendo em Granada (Espanha), no dia 7 de outubro de 1957. Ele era pai de Maria da Conceição, conhecida como Conchita, outra nova venerável da Igreja. Um caso quase único de homem casado, pai, viúvo, e por fim, sacerdote. Conchita nasceu em Granada (Espanha), em 27 de novembro de 1905, e morreu no dia 13 de maio de 1927.

Venerável
FRANCISCO BARRECHEGUREN MONTAGUT
(1881-1957)

Francisco Barrecheguren Montagut nasceu em Lérida, em 21 de agosto de 1881, em uma família de condições econômicas ricas. Batizado dez dias depois, na paróquia da catedral, com apenas onze meses ficou órfão de seu pai. Ele ficou sozinho após a morte de suas irmãs, Carmen (1876) e Manolita (1883), e de sua mãe (1885), e não tendo outra família na Catalunha, foi morar em Granada com seus tios e tias que cuidavam amorosamente de sua formação cultural e espiritual.

Depois de terminar o ensino médio em 1897, no Colégio dos Jesuítas em El Paso (Málaga), ele começou os cursos universitários. No entanto, como teve que deixar Granada para continuar seus estudos universitários, ele preferiu, com o conselho de seus parentes, abandonar seus estudos para trabalhar na fábrica têxtil de seu tio Victoriano Montealegre, que também era seu tutor. Na empresa, ele ocupou o cargo de diretor administrativo.

Em 2 de outubro de 1904, na igreja paroquial de S. Maria Maddalena, em Granada, casou-se com Concha García Calvo. No dia 27 de novembro do ano seguinte, nasceu sua única filha, Maria Conceição, conhecida como “Conchita”.

A partir de então, a preocupação constante de Francisco era a formação humana e cristã de Conchita. De fato, era ele mesmo quem estava encarregado do ensino escolar e a preparava para confissão, comunhão e confirmação.

Francisco também expressou o mesmo amor atencioso e solícito por sua esposa, especialmente após a morte de Conchita, em 13 de maio de 1927, quando Concha manifestou o agravamento do desequilíbrio mental que havia começado ao mesmo tempo que a doença de Conchita.

Até 13 de junho de 1937, o dia da morte de sua esposa, o Venerável era sempre paciente e afetuoso, mesmo quando Concha voltava para casa após um longo período de tratamento e explodia em atos de raiva repentinos e desmotivados.

Após a morte de sua esposa Concha, Francisco dedicou seu tempo à oração e obras de caridade. Tendo ouvido o discurso da vida religiosa, com o conselho do padre jesuíta Avellán, seu diretor espiritual, muitos Redentoristas e, principalmente, seu amigo cardeal Pedro Segura y Sáenz, arcebispo de Sevilha, decidiu entrar na Congregação do Santíssimo Redentor, após ter doado, em março de 1945, todos os seus bens consideráveis ??às Irmãs da Congregação dos Escravos da Eucaristia.

Ele proferiu seus votos religiosos em 24 de agosto de 1947, aos 66 anos. Dois anos depois, em 25 de julho de 1949, em Madri, foi ordenado sacerdote por seu amigo, bispo Jesús Mérida Pérez.

Os oito anos de sacerdócio de Francisco foram marcados por um constante compromisso apostólico e uma paciente aceitação dos ritmos da vida religiosa. Particularmente significativa foi sua atividade pastoral ao lado dos doentes.

Em 7 de outubro de 1957, ele faleceu na casa Redentorista de Granada. Em novembro de 1996, seus restos mortais foram transferidos para a Igreja de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Granada, ao lado dos de sua venerável filha Conchita.

Venerável
MARIA DE LA CONCEZIONE BARRECHEGUREN GARCIA (CONCHITA)
(1905-1927)

Maria da Conceição (Conchita) Barrecheguren nasceu em 27 de novembro de 1905 em Granada, filha do Venerável Francisco Barrecheguren Montagut e Concha García Calvo, ambos de famílias ricas e animadas por grande fé e sólidos princípios morais. A recém-nascido foi batizada na paróquia do Santuário de Granada em 8 de dezembro de 1905, com o nome de Maria da Conceição do Perpétuo Socorro, Francesca de Paola, Eloisa, Primitiva da Santíssima Trindade, embora sempre fosse conhecida como “Conchita”.

Desde a infância, Conchita mostrou sinais de saúde precária. Quando tinha pouco mais de um ano e meio de idade, ficou gravemente doente com uma enterocolite muito aguda, tanto que temia por sua vida. A menininha se recuperou milagrosamente e seus pais atribuíram sua inesperada recuperação à intercessão da Virgem de Lourdes. Considerando seu estado precário de saúde, os pais decidiram, por sugestão dos médicos, não deixá-la frequentar nenhuma escola da cidade, tornando-se seus próprios educadores. Em particular, a educação da filha foi cuidada por seu pai, assistido por dois professores, que também lhe deram uma preparação catequética adequada para os sacramentos da Confirmação, que ela recebeu em 3 de maio de 1912, e a Primeira Comunhão, em 25 de dezembro de 1912.

Além de estudar e também realizar atividades domésticas com a mãe, passou várias horas orando no oratório doméstico, recitando o rosário e ensinando o catecismo aos ajudantes domésticos, além de caminhar com o pai e recitar exercícios piedosos com ele.

Desde tenra idade, Conchita sentiu o chamado à vida religiosa, desejando tornar-se carmelita. Infelizmente, a doença impediu a realização de seu desejo. Aos dez anos de idade, ela teve uma profunda crise religiosa devido a escrúpulos, mas foi resolvida positivamente em cerca de dois anos com a sábia intervenção de seu novo confessor, o redentorista pe. Ruiz Abad. Em 1917, ela foi diagnosticada com inflamação intestinal que lhe causou fortes dores e a forçou a seguir uma dieta rigorosa.

Além disso, em 1924, sua mãe foi atingida por um sério desequilíbrio mental, tanto que foi admitida no Sanatório da Purissima, em Granada, com uma proibição absoluta de visitas. A Venerável e seu pai enfrentaram heroicamente essa nova dor, sustentada pela constante oração e confiança em Deus.

Apesar de sua saúde precária, Conchita fez várias viagens e peregrinações, das quais tomou notas e escreveu crônicas. Em agosto de 1926, depois de uma peregrinação a Lisieux, na tumba de Santa Teresa do Menino Jesus, ela ficou doente de tuberculose. Então, os médicos aconselharam seus pais a se mudarem para o Carmelo de São Valentim, perto das florestas de Alhambra, na esperança de parar o agravamento da doença. Infelizmente, no entanto, a transferência não trouxe a melhoria esperada e Conchita morreu na manhã de 13 de maio de 1927, com apenas 22 anos de idade.

Enterrados na capela da família do cemitério de Granada, em 13 de maio de 1978, os restos mortais foram transferidos para o oratório do Carmelo de Conchita (Alhambra). Desde 29 de novembro de 2007, eles descansam na Igreja Redentorista de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Granada, ao lado dos restos mortais de seu pai, o Venerável Francisco Barrecheguren Montagut.

Fonte: Pe. Antonio Marrazzo, C.Ss.R/C.Ss.R.