Cel. Fabriciano, 23 de abril de 2024

OUÇA AGORA A RÁDIO EDUCADORA

RÁDIO EDUCADORA

05 fev
Imagem: CNBB

Chuvas e enchentes em MG e ES: Dom Vicente lamenta por sofrimento socioambiental

Compartilhar

As consequências das chuvas e enchentes na região Sudeste do Brasil, em particular nos estados de Minas Gerais e Espírito Santo, já atingiram mais de 67 mil pessoas, em mais de 200 municípios. Até o momento, de acordo com a Defesa Civil, 58 pessoas morreram em Minas Gerais e nove no Espírito Santo. Em entrevista ao Portal da CNBB, o bispo auxiliar de Belo Horizonte (MG) e membro da Comissão Especial sobre Mineração e Ecologia Integral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) dom Vicente de Paula Ferreira falou sobre a necessidade de assumir a proposta de ecologia integral presente na encíclica Laudato Si’ do Papa Francisco.

— Para Dom Vicente, o acompanhamento às consequências das chuvas “é mais um sofrimento socioambiental que a gente tem vivido”. O bispo vê como paradoxal a espera pelas chuvas, “mas a falta de cuidado com a casa comum”, que “acaba trazendo problemas sérios, inúmeros desabrigados, um número muito alto de mortes”, problemas recorrentes na região no período de chuvas. Dom Vicente ainda chama atenção para o agravamento do cenário com a lama que desce com as enchentes carregada de produtos tóxicos.
Recordando a celebração dos cinco anos da encíclica Laudato Si’, do Papa Francisco, no próximo mês de maio, “que constata que vivemos uma aguda crise socioambiental na humanidade”, dom Vicente sublinha que as nossas cidades são construídas em cima de rios e ninguém esperou pela reação da natureza: “A gente costuma dizer no meio da psicologia: ‘ninguém consegue recalcar a natureza, abafar a natureza, ela tem uma força própria’. Se a gente não a considera, ela vai voltar-se contra a gente”.

O bispo reforça a importância de “levar a sério o projeto da Laudato Si’ e, ao mesmo tempo, pedir às autoridades, criar uma consciência coletiva dentro e fora da Igreja que nós estamos nos organizando enquanto sociedade muitas vezes em cima de futuros problemas”, como revelam os projetos e intervenções em muitas cidades Brasil afora que desconsideram medidas de segurança ao erguer suas estruturas, como já foi alertado em estudos da CNBB e em oportunidades de reflexão sobre a cidade como o 14º Encontro Intereclesial das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs).

Dom Vicente Ferreira, demonstra-se feliz com as ações de caridade que a Igreja tem protagonizado nesses momentos de tragédias. No caso específico das chuvas em Minas Gerais e Espírito Santo, paróquias e comunidades têm se mobilizado para acolher e ajudar os afetados. “A Igreja é doutora em caridade”, afirma.

Entretanto, é necessário algo mais: “não basta essa caridade imediata, a gente também tem que perguntar pelas causas disso tudo”. Segundo dom Vicente, se a pessoa tem “uma forma de vida que mata”, quando ajuda imediatamente com a caridade, na hora do luto, tem uma ação confortável. “Mas quando a gente começa a perguntar ‘quem matou?’, ‘porque?’. Aí já começa a complicar a nossa vida, inclusive as perseguições, as indagações, porque o profetismo é o amparo imediato, mas também é a denúncia para que a gente possa transformar a nossa realidade”, exorta.

Fonte: CNBB